Depois que a Islândia resolveu escrever a nova Constituição do país de forma colaborativa (via Facebook), a ideia de governos “abertos” parece que vem se consolidando cada vez mais. Embora já não seja mais novidade o aparecimento de sites colaborativos, tais meios nunca estiveram tão na moda. Os objetivos vão de compartilhamento de programas de hackers até o desenvolvimento de um novo futuro para governos. Isso interessa tanto que o que não falta são manuais ensinando a ter sucesso com a interação entre internautas.
O Brasil se adaptou muito bem à essa plataforma em 2010, nas eleições presidenciais. Os candidatos aceitavam sugestões até para qual roupa eles deveriam usar nos comícios. Nunca a opinião do público importou tanto. Mas o que quer dizer isso?

 

Sites colaborativos são plataformas disponibilizadas por governos ou iniciativas privadas, para que o próprio público alimente com informação. A ideia é que os usuários “trabalhem” para trazer o melhor conteúdo para o site. E o que eles ganham com isso? Ibope, relevância na internet, ranking e, é claro, informação. Se você encontrar uma informação a partir da participação do outro, nada mais justo que você também colabore para ajudar.
A novidade mais recente é a rede social “My Fun City”, que aposta no lema cidades sustentáveis. Por meio de blogs, sites e redes sociais é possível participar politicamente e civicamente da sua cidade. A rede mede em tempo real as condições da região em que o usuário se encontra e disponibiliza os dados com a mesma rapidez. Basta criar um login e começar a opinar sobre os doze principais aspectos que regem a qualidade de vida e o bem estar social nas cidades (onde a pessoa se encontra), fazer comentários e registrar fotos.

Alguns exemplos no país:

Movimento Minas (MG)

O projeto procura criar um ambiente de engajamento e comprometimento com o desenvolvimento do estado de Minas Gerais. Trata-se de uma iniciativa do governo de Minas, com intuito de construir um espaço construído para possibilitar o encontro de todos que se importam com o futuro do estado.

Gabinete Digital (RS)

“Este espaço é dedicado à comunicação direta do Governador com a população. Formule sua pergunta e divulgue nas redes sociais. A pergunta mais votada do mês será respondida diretamente pelo Governador através de um video”. Essa é a meta que o site Gabiente Digital promete atingir. Trata-se de uma iniciativa do Governo do Estado do Rio Grande do Sul que pretende abrir o canal de comunicação com o cidadão, aproximando-o cada vez mais do governador.

Observador Político: o site colaborativo do FHC

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso acaba de lançar a comunidade colaborativa Observador Político, na internet, com a promessa de incentivar o debate político na sociedade. No vídeo de abertura do site, FHC afirma que a web sugere um diálogo democrático que pode contribuir para “avançar”, independentemente da corrente ou filiação partidária.

A reflexão que é possível fazer com a ação desses governos é simplesmente dizer que eles estão na mão certa da população. Esses governantes entenderam que não é possível construir informação sem colaboração e que o usuário tem o poder – e vontade – de mudar o futuro com as suas próprias mãos. Afinal, não existe construção eficiente sem entender, de fato, quais são as necessidades de quem é o maior beneficiado: o cidadão.

Publicado em: http://www.blogmidia8.com/2012/01/redes-sociais-moda-agora-e-construcao.html#ixzz1ld3VCVa0

Related Posts


Olá, mundo!

Bem-vindo ao WordPress. Esse é o seu primeiro post. Edite-o ou exclua-o, e então comece a escrever!

05.05.2017

Discutindo habilidades e pautas

Sábado gelado. Fim de semestre. Época de correria. Rouquidão. Acordar cedo. Ter até que pegar um avião. Dez horas de trabalho intenso. Nada disso detêm quem tem paixão pelo que faz. E foi essa paixão que reuniu um grupo de 20 pessoas dispostas a pensar, compartilhar experiência, rever conceitos, conhecer novas pessoas, olhar para sua […]

01.06.2014

III Jornalismo sem Fronteiras

O programa Jornalismo sem Fronteiras, que está na 3ª edição, vai permitir aos participantes passar 7 dias como enviado especial em Buenos Aires. Com tudo o que isso significa: descobrir a cidade, as fontes, as pautas e produzir matérias. Além disso, os participantes têm a oportunidade de conversar com alguns renomados jornalistas que contam um […]

16.04.2014

Comments


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *